“Renascente” por Diego Rbor

05 - Poema "Renascente" por Diego Rbor - Pílulas de Poesia

Pílulas de Poesia trazem para você…

Poema “Renascente” por Diego Rbor, conheça a partícula da alma deste poeta e escritor, que será compartilhada mensalmente com todos nossos leitores.

Renascente

Sei que já chateei alguns corações e não sinto orgulho disso.
O meu melhor está dentro de mim, assim como o meu pior. Se faço o bem, fico bem; Se faço o mal, fico péssimo.
O peso da maldade é insuportável então fui esvaziando o que não é luz na minha bagagem.

Sobrou espaço e tempo para focar e fazer somente o bem, porque o bem é leve e não se cansa de si.

A grande sacada é quando a gente aprende que poesia e consciência é tudo. Pra ela ser leve não deve haver o peso de mentiras, maldizeres, calúnias e destruições.

Não, não sou nenhum santo… Mas se fosse, faria cair chuva fervendo de consciência sobre aqueles que não a tem.
Só valoriza o sol quem viveu no gelo. Só valoriza a água quem já viveu a seca. Só valoriza as árvores quem compreende (ou busca compreender e viver) o TEMPO.

Sei que magoei alguns corações, mas já nos perdoei, porque o meu também estava machucado.
Lá no escuro ninguém me via e eu muito pouco. Pude encarar todos os meus medos, meus desejos profundos e todas as minhas cargas… Me deixei na temperatura zero graus e ali pude me ver congelar enquanto respirava e chorava. Me conectei intensamente com os meus sentidos naturais. É tão bom isso. Em cada gota de pranto resplandeceu uma centelha de luz, e eu, no aperto da alma, juntei cada gota e com elas enchi o meu oceano. Transparente e colorido.
Hoje e para todo o sempre futuro, sou terra fértil, cheirosa e profunda. Embora magoado alguns corações, não sinto orgulho disso. Nem sinto vergonha ou arrependimentos. Sinto um amor incondicional por mim, pelas minhas imperfeições externas resultadas de muita prova de amor à vida.

Dentro de mim existe ira e eu gasto em arte. A ira que o mundo mal me deu eu banho de luz e água, e terra e verduras frescas da feira de sexta.

Gratidão pelo eterno presente.

crônica

por Diego Rbor

Acompanha em cada mês sua participação nas Pílulas de Poesia em:
https://blog.smdp.com.br/tag/diego-rbor

Quem é Diego Rbor?

Diego Rbor é um artista contemporâneo e sua maior expressão é através da poesia. A sua escrita marginal ilumina a todos propondo reflexão, sensação e desejos otimistas.

Veja sua biografia através deste link:
https://smdp.com.br/bio/diego-rbor

Ou acesse e assista suas apresentações no Café com Poesia
https://www.youtube.com/playlist?list=PLY0gqsQcfp0c-zBeK57RRRY-eWSGb3v6c

Quem é a SMDP?

A SMDP – Sociedade Mundial dos Poetas, é uma entidade digital, que busca unir, entidades culturais e artes, com os mundos digitais e físicos. Desejamos valorizar e ampliar a boa cultura em seus mais diversos formatos e sabores.

Convidamos a você e seus amigos à…

Siga, assine, inscreva-se, curta e compartilhe

Twitter: https://twitter.com/smdp_oficial
Facebook: https://facebook.com/sociedademundialdospoetas
Youtube: https://youtube.com/sociedademundialdospoetas
Pinterest: https://br.pinterest.com/smdpoficial
Instagram: https://www.instagram.com/sociedademundialdospoetas
SMDP: https://smdp.com.br
Café com Poesia:
https://cafecompoesia.com.br
https://blog.cafecompoesia.com.br
https://youtube.com/cafecompoesia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *